Perguntas Propulsoras


“O conhecimento nasce como pergunta é evolui para o sucesso” – José de Alencar, 1855.

Perguntas têm o poder de conduzir para a evolução – autor desconhecido.

Perguntas propulsoras são aquelas que provocam ignição na intuição e faíscam insights nas respostas (Ahh!). São apresentadas em palestras, cursos, consultorias e em conselhos corporativos.

1.0- Tecnologias.

1.1 – Próximas Tecnologias Revolucionárias.

Qual é a próxima e revolucionária tecnologia, portadora de novas e grandes oportunidades galácticas? Existe a última revolução tecnológica ou vamos viver pulando de uma para outra, para a próxima,…? E se existir a última, qual seria, como seria, quais as implicações que acarretam? Ou será que não existe a última, mas varia apenas de “tempo em cartaz” de cada tecnologia vigente?

1.2- Inteligência Artificial Supera a Criatividade?

Atividades humanas repetitivas e mecânicas já podem ser substituídas por robôs e a IA – Inteligência Artificial?  E atividades criativas também podem ser substituídas pela IA? E se também formos substituíveis, por qual nível de criatividade os humanos serão substituídos – ideias mais simples ou mais complexas ou…?

1.3- Descubra o Melhor!

Qual a relação entre inteligência (QI) e criatividade (QC) no mundo real?

2.0- Conselhos Corporativos – Administração.  

2.1- Conselheiros Inovadores

As corporações precisam ter em seus Conselhos de Administração conselheiros visionários, criativos e inovadores que ajudem a avaliar os investimentos para diminuir riscos de perdas colossais ou estudos lineares são suficientes para decidir?

2.1- Perdas Colossais em Inovação, Pagas Pelos Investidores!

Os investidores, stakeholders, “bolsistas (pessoas que investem em ações na bolsa de valores)” têm alguma interferência nessa fabulosa cifra de dólares perdidos em inovações? Porque os investidores e conselheiros corporativos estão conformados com esse cenário de perdas, no mundo todo? Porque os membros da Hélice Tripla (corporações, institutos de pesquisa, governos) não conseguem sair de dentro dessa caixa (alguns nem sabem que estão dentro da caixa, nadando em perdas), achando tudo isso “cubicamente” normal, quando é “redondamente” anormal?

2.2- Perdas Colossais. Quem Perde Mais?

Nesse processo atual de investimentos de risco quem perde mais: o investidor ou o empreendedor? O quê cada um perde? Porque as empresas de investimento de risco (Angels, Seeds, Start-ups, etc..) consideram “normal” investir em ideias que fracassam desde a ideia? Isso é normal ou estão faltando conhecimentos que produzam lucidez nesses processos, de modo a fortalecer os dois lados – investidor e empreendedor? Ou basta ter capacidade empreendedora para os negócios avançarem?

3.0- Meio Ambiente.

3.1- Sustentabilidade é Sustentável!

O conceito vigente de “sustentabilidade” é sustentável ou é ilusão? É o conceito mais importante para salvar o planeta ou há algum outro muito mais significativo, criativo, mas esquecido? A ideia de sustentabilidade é própria para os nossos dias ou está atrasado mais de 200 anos – desde a primeira revolução industrial? Estaremos cometendo o mesmo erro de 200 anos atrás? Novamente?!!! Ou está tudo ótimo como está indo?

3.1- Desindustrialização Global e Sustentabilidade!

Sobre a desindustrialização que ocorre nos principais centros do mundo, como ela se relaciona com a sustentabilidade, se é que se relaciona? É uma onda? É uma tendência? É um fato real ou é apenas condição política local? Pode-se dizer que é recente ou não e por quê? Até que ponto vai continuar?

3.2- Nada é Tudo!

Menos é mais, porém, “nada é tudo”! Será que é esse o caminho para a sustentabilidade? Haverá algum atalho para se alcançar o nada? Ou voltaremos à revolução da agricultura?

4.0- Inovação

4.1- Inovação para …

Qual é o foco da inovação? O próprio investimento? O usuário? O cliente? Os processos? Os equipamentos? Os colaboradores? Os investidores? Os governos e os impostos? Todos juntos e muitos outros?

4.2- Inovação – 90% de Fracassos!

Os grandes fracassos de inovação, que atingem mais de 90% do que é lançado anualmente, significa dinheiro perdido para as empresas ou custo de aprendizado? Há algum motivo especial para que essas perdas sejam tratadas como aprendizado? Esse aprendizado poderia custar muito menos? As empresas se importam com isso ou elas pensam da mesma maneira que as empresas de investimento do tipo Angels?

4.3- Existe (In) Certeza na Inovação!

Inovação é atividade de alto risco! Verdade ou Mito? Há como mudar isso? Onde pode ser encontrado o cerne da incerteza na inovação, se é que há alguma incerteza no funil?

4.4- Inovação tem Limite!

Inovação tem fim? Criatividade tem fim? Futuro tem fim? Qual poderia ser a última ideia? Qual é o limite final para a inovação.

5.0- Criatividade

5.1- Processo criativo!

A criatividade é um processo mental evolutivo e/ou iterativo? Teve um inicio? Terá um fim? É inerente ao homem e somente ao homem? O que é criatividade em relação à inovação? A Inovação depende de ideias? A inovação pode ser feita copiando ideias, sem ajuda de processos criativos?

5.2- Ideias Atratoras Benéficas ao Usuário!

Desde quando o “mais simples” é a autoridade superior e indiscutivelmente atratora? Há alguma autoridade atratora de ideias maior que a simplicidade, desejada pelo cliente? Ou, perguntado de outra forma, há algum atrator mais importante, mais forte, de autoridade maior e ainda mais benéfica ao usuário que a simplicidade extrema? Em quais áreas o mais simples vinga melhor?

5.3- Sentido de Direção para Ideação!

Há algum sentido de direção para a produção de ideias que os criativos deveriam praticar? Se houver algum, é único? É necessário? É milenar ou recente? Ou existem tantos tipos de ideias que não é possível que exista um único sentido de direção para todas as ideias destinadas a inovação?

5.4 – Criatividade: Única Habilidade Requerida dos Futuros Profissionais!

Um estudo publicado em agosto de 2010, realizada pela IBM em 60 países com 1541 CEO’s identificou que a característica n. 1, a mais procurada para ser Líder Corporativo é a capacidade criativa, é o talento para ideias! No final do milênio passado, a busca por profissionais com capacidade criativa desenvolvida estava entre os 10 itens mais requeridos. Atualmente é o primeiro item. Poderá vir a ser o único, uma vez que todos os outros talentos derivam deste?  E se assim for, que tipo de educação deveria ser praticado para que todos desenvolvam esse talento? Você está fazendo alguma coisa para ampliar o seu talento criativo?

6.0- Quantificação x Qualificação de Ideias!

6.1- Métodos de Quantificação de Ideias!

Há algum método para se quantificar ideias? Há como saber qual é a mais adequada, numericamente? Podemos calcular ideias matematicamente de modo a se associar números e unidades de medida a cada ideia, como por exemplo 700 gramas de café, 2,0 metros de tubo, 1,5 litros de refrigerante (número / unidade de medida / objeto da medida) ? É impossível ou é desconhecido ou ambos? Se pudermos calcular uma ideia, podemos saber, a priori, qual é a Ideia Ideal, matematicamente? Se fosse possível quantificar ideias, quando elas são ainda só ideias, (de produtos, serviços, investimentos, etc.), diminuiriam os riscos – de perdas financeiras, motivação, desavenças internas, preferências inexplicáveis, etc. – que contribuem com o aumento dos problemas da inovação?

6.2- Quantificação de Ideias na Ciência!

Se fosse possível quantificar ideias para pesquisas, seria benéfico? Poderíamos saber, a priori, a relação entre pesquisas úteis e inúteis? Seria possível concentrar esforços de variados tipos – financeiros, cognitivos, espaços, … – para se alcançar melhores resultados e mais rápidos? Haveria pesquisas “mais válidas” que outras? E quais poderiam ser? Em benefício de quem?

6.3- Quantificação de Ideias nos Governos?

Os Governos poderiam utilizar a quantificação de ideias para beneficiar as populações? E como poderiam ser quantificadas tais ideias para a população nas campanhas políticas? A quantificação de ideias torna os governos mais eficientes? Ou mais políticos? Ou nenhum dos dois?

6.4 – Quantificação de Ideias para Empreendedores!

Empreendedores poderiam saber, a priori, se suas ideias vingam ou se precisam ser melhor buriladas em função do público alvo? E como seria a concorrência num mercado onde todos sabem calcular ideias? Haveria concentração ou desconcentração de ideias? E como seria um “plano de negócios” com a ideia calculada matematicamente?

6.5- Métodos de Qualificação de Ideias!

Qualificar é a mesma coisa que quantificar uma ideia? Se há diferença, porque há tanta confusão a ponto desses termos serem utilizadas como sinônimos, se não são? Análise qualitativa depende do analista ou depende de processo? Ou depende do processo utilizado pelo analista, de modo que é uma análise subjetiva, isto é, sem exatidão matemática?

7- Futuro.

7.1- Periscópio do Futuro!

Ter uma visão do futuro ajuda ou atrapalha os gestores estratégicos? E os criativos? E os inovadores? Que diferenças e igualdades podem ser enumeradas entre os gestores atraídos para periscópio do futuro e os gestores retardados pelo retrovisor do passado? Há novos métodos para enxergar o futuro, tal qual um periscópio onde todos podem avistar os possíveis “vir a ser” (além dos métodos tradicionais de construção de cenários com especialistas da área)?

7.2- Complexidade e (é) Escuridão?

A complexidade existe ou é pura ignorância cientifica (escuridão) cuja solução, ao ser descoberta no futuro, ilumina de tal forma que a complexidade some, tal qual a luz acaba com a escuridão? São os criativos que procuram continuamente essa luz? E os inovadores? Há mais alguém?

8.0- …

9.0- …

10.0- …

 20- O Santo Graal.

20.1- Galáxias são Materiais e/ou Imateriais!

O Universo é material? Ou estamos vivendo na parte material do imaterial galáctico? Ou o universo é imaterial, formado por algumas partes que se tornaram materiais graças ao E=MC2, que, aliás, faz um barulho danado?

20.2- O Santo Graal do Século XXI!

A Teoria de Tudo que contém a Fórmula do Universo ou a Fórmula de Tudo procurada desde sempre, existe ou é um mero desejo, ilusão, sonho? É possível haver uma teoria com uma fórmula matemática que dirija tudo e todos no universo, do a (átomo) ao A (Astro), passando por tudo que contém em todas as letras? Qual o resultado da descoberta dessa Teoria? Seria o fim de tudo? Ou o inicio de um novo “tudo”? A priori, o que deve ser abrangido, o que deve ser excluído e o que deve ser corrigido por uma Formulação Matemática para a Teoria de Tudo? 

É possível haver uma teoria com formulação matemática que governe tudo, desde o a (átomo) ao A (ASTRO),  já que há mais semelhanças que diferenças entre eles?

Essas são as perguntas que inauguram o site  Galáxia Criativa©”. Certamente outras darão continuidade à curiosidade, dúvidas e demandas originais que nos colocam no Periscópio do Futuro para vasculhar a galáxia atrás de respostas criativas.

Fique a vontade para acrescentar alguma. Lembre-se: perguntas propulsoras faíscam insights intuitivos (Ahhh!)!

Tags: perguntas propulsoras, criatividade, inovação, futuro, tecnologia, sustentabilidade, conselhos de administração, conselheiros, avaliação de ideias, estratégias, investidores, stakeholders, formula de tudo, Santo Graal, palestras, cursos, consultorias.

 “Galáxia Criativa©

A Mola Propulsora para Criatividade, Inovação e Futuro. 

www.galaxiacriativa.com.br 

Se você gostou, por favor, envie para todos os seus amigos.

Se você não gostou, não se estresse! Envie para os seus inimigos!

Contribua com o conhecimento, circulando a informação!


 

Se você concorda, por favor, envie para todos os seus amigos.
Se você não concorda, por favor, envie para os seus inimigos.
Mas contribua com a circulação, socializando a informação!

Compartilhe:





ENVIE AGORA!
em by Rui Santo em Artigos

About Rui Santo

Especialista em criatividade, inovação e visão de futuro. Autor de diversas ferramentas para liberar sua capacidade criativa. Autor da T.I.A. - Teoria das Ideias Autocomparadas. Autor de formulação matemática que permite a medição de ideias. Autor da Balança da Inovação: uma balança com três pratos que compara os três elementos inseparáveis da inovação. Auto do livro: A Balança da Inovação.

Adicionar Comentário