Ato Criativo: Teoria Universal e a Fórmula do Universo.

ATO CRIATIVO: Teoria Universal e a Fórmula do Universo.

A teoria (unificada da física) não surge dissociada e independente da experiência; nem pode ser deduzida da experiência por um procedimento puramente lógico. Ela é produto de um ato criativo – Albert Einstein.

 

Resumo:

Este artigo apresenta a separação das buscas da Teoria Unificada que agrupa as quatro forças da física e gera a Teoria de Tudo, desta outra aqui denominada Teoria Universal que contém a Fórmula Matemática do Universo ou Lei do Universo, caracterizada pela independência de todas as teorias científicas conhecidas, composta por elementos primários e irredutíveis, diferenciada pela simplicidade extrema e abrangência máxima, que deve ser produto de um Ato Criativo, como sugeriu Einstein.

Neste artigo recomendamos itens a serem considerados em uma teoria de tal envergadura, que deve contemplar a criatividade futura, abrindo caminhos para novos campos de saberes. 

 

Teoria de Tudo – Fórmula de Tudo.

O Santo Graal da Ciência no inicio do Sec. XXI continua sendo a descoberta da Teoria de Tudo,  que contenha a Fórmula de Tudo conhecida em inglês como TOE – Theory Of Everything.

No Sec. IV antes de Cristo, Platão[1] afirmava que para nos aproximarmos de Deus, precisamos descobrir a ordem científica da natureza, constituída por leis matemáticas, as quais governam o universo. Para ele, a admiração e a beleza que sentimos na natureza, mostra que ela é divina.

Galileu Galilei (1554-1642) foi mais enfático ao apregoar sua convicção inabalável da linguagem matemática da natureza.  “A matemática é o alfabeto com o qual Deus escreveu o Universo”, afirmou o astrônomo italiano.

René Descartes (1596 – 1650) defendia que só o rigor matemático poderia fazer as ciências entregarem seus frutos. Denominou por “Mathesis Universalis[2]” seu projeto de unificação das ciências e afirmava: “Deve haver uma ciência geral que explica tudo o que pode ser investigado, relativo à ordem e à medida, aplicável a todas as matérias, que se designa pelo vocábulo antigo e aceito de Matemática Universal”.  Descartes[3] conseguiu designar três condições que deveriam caracterizar a unificação das ciências.

Einstein[4] acreditava que a unificação das forças da física comporia a Teoria Unificada, a base da Teoria de Tudo, passando os últimos anos de sua vida dedicados à procura dessa unificação. Posteriormente vários cientistas têm compartilhado dessa busca, mas até agora o Santo Graal não surgiu.

Descobrir a matemática da natureza, a expressão simbólica – numérica, é como ouvir a conversa da natureza e conhecer o modo como ela “pensa e age”. Certamente pode ser considerado um feito criativo de grande monta, um puro insight, uma vez que é o entendimento do todo, o pensamento de Deus manifestando-se e propagando-se em linguagem matemática.

Denominações:

Para facilitar a compreensão deste propósito, entre vários títulos atribuídos a esse objetivo, nos restringimos às duas mais conhecidas:

-Teoria Unificada – É a teoria que une as quatro forças da física transformando-as em uma força superior. Desde Einstein tem sido procurada. Une ainda os férmions e os bósons no mesmo grupo.

– Teoria de Tudo – Fórmula de Tudo é a teoria que explicaria o universo e tudo que acontece nele. A Teoria de Tudo contém a Fórmula de Tudo e é derivada e dependente da unificação das quatro forças da física. Faz parte desta teoria a Teoria das Supercordas, Teoria M (significado desconhecido!) e outras menos significativas.   

 Para evitar confusões com nomes históricos, criamos a Teoria Universal – Fórmula Matemática do Universo ou Lei do Universo, “que não depende de nenhuma teoria existente”, uma vez que, entendemos a teoria mandatória do universo independente de qualquer condição teórica que a submeta. Isto é, a Teoria Universal tem um propósito objetivo, e caracteriza-se por ser incondicional e transdisciplinar. Ela é!Todas as outras teorias devem se enquadrar nela.

– Teoria Universal – Fórmula do Universo é a teoria que explica o universo e o porquê de tudo que acontece nele. É independente de qualquer teoria cientifica. Abrange tudo e está aberta à criatividade de todas as ciências. Deve conter a Fórmula Matemática do Universo ou Lei do Universo, cujos elementos que a constituem devem ser primitivos e irredutíveis, orientando as relações entre eles e as informações comunicadas pelos seus conteúdos. Deve ser entendida como a comunicação do pensamento e ação entre a natureza e Deus.

O Primeiro Caminho: a Fórmula Interna à Física.

O caminho que tem sido trilhado até o momento, a Teoria da Unificação das Quatro Forças da Física não tem oferecido grandes insights ao pensamento (para não dizer que tem sido decepcionante gerando desistências e descrenças de muitos físicos na existência de tal teoria).

O caminho de unir as quatro forças em uma única teoria – Teoria Unificada – e a partir dela, identificar a Teoria de Tudo e a Fórmula de Tudo no Universo nos deixa sem nenhuma das duas.  Desistimos de pensar em uma Teoria de Tudo alegando que ainda nem chegamos a uma Teoria Unificada das Quatro Forças, como se, condicionalmente, uma fosse decorrência da outra.  Estamos estacionados / bloqueados “cognitivamente falando”.

Por outro lado, os conceitos das quatro forças na física não estão maduros para serem unificadas em uma única teoria, dado que:

1- certamente existem mais forças ainda não descobertas que devem compor o quadro atual e harmonizam as forças existentes.

2- intuitivamente parece que faltam peças nesse quebra cabeças que impedem o fechamento e compreensão desse mapa. Parece que ainda não é possível ver, nem intuitivamente, uma possível resposta. Afinal, são mais de cinquenta anos de tentativas sem encontrar nenhuma solução, nem no nível de imaginação criativa.

Pode-se acrescentar ainda a Teoria da Incompletude do matemático Gödel que nos inspira e lembra criativamente: “Algumas Ideias ou propriedades não são vistas nem percebidas no interior de qualquer sistema dado. Para compreendê-los é indispensável transcender a um nível mais alto, ou para um estado anterior ou ainda, recuar até os componentes irredutíveis[5]”.

Por sua vez, a criatividade orienta de modo direto: é preciso sair de dentro da caixa para enxergar o conteúdo inteiro, a caixa fechada, a posição geográfica dela em relação aos outros itens. 

Segundo Caminho: A Teoria Universal que contém a Fórmula do Universo.

Mais recentemente as buscas foram separadas. De um lado a teoria interna à física que envolve as Quatro Forças conhecidas e a Teoria de Tudo que depende da unificação dessas forças e de outro lado, a Teoria Universal que independe de qualquer teoria e envolve todo o universo do “a ao A”, isto é, do átomo ao Astro incluindo tudo que existe entre eles.

A sábia separação das duas teorias nos permite observar imediatamente o campo de cada uma das teorias, dado o alcance que cada uma oferece. Enquanto uma (Teoria Unificada) está restrita às quatro forças e ao campo interno da física, a outra (Teoria Universal) não tem restrição de nenhuma espécie, se liberta naturalmente, sem passado e sem histórico por ser independente de todas as teorias de todas as ciências, e por isso apresenta-se aberta ao ato criativo, a criatividade que inspira, gera e distribui todos os conhecimentos do saber.

Assim, a Teoria Universal que contém a Fórmula do Universo pode ser descoberta por caminhos utilizados pela criatividade para sair de loops, encruzilhadas, nós górdios, problemas criativos e estratagemas de guerra que parecem insolúveis, mas não são para os criativos. 

Precisamos recorrer à “ciência da criatividade” e buscar alternativas para sair desse impasse, solucionar esse nó górdio da ciência.  Precisamos gerar as condições para um ato criativo, como sugeriu Einstein.

Dito de outra forma: se após cinquenta anos de tentativas não foi possível encontrar uma Teoria Unificada que nos conduzisse a uma Teoria de Tudo, nem no nível da imaginação intuitiva, então é hora de mudar a estratégia, já que não podemos continuar bloqueados cognitivamente, impedidos de prosseguir no avanço do conhecimento.

A mudança de estratégia sugere a utilização da técnica de inversão, uma técnica de criatividade muito poderosa que costuma produzir resultados surpreendentes. É uma técnica criada por Lao Tsé que viveu na China no ano 500 a.C. (Ver detalhes em “Técnicas de Criatividade – Diversos Autores”).

A inversão da sequencia que tem sido praticada, pode ser o passo criativo capaz de gerar a saída desse bloqueio, isto é, primeiro pensar em uma Teoria Universal e uma Fórmula para o Universo que depende[6] exclusivamente de ideias de um ato criativo e nada mais.

Se alguma for encontrada, podemos aplica-las a cada uma das forças, e após os ajustes pertinentes, se houver, talvez possamos unificar as Quatro Forças.

Comentários:

O físico britânico, John Barrow[7] corrobora com esse pensamento ao afirmar que “a teoria unificada da física de partículas, não seria de fato a Teoria de Tudo, mas apenas a Teoria de Todas as Partículas e Forças”. A teoria teria pouco ou nada a dizer sobre os fenômenos que tornam nossa vida significativa, como o amor e a beleza, afirma Barrow.

Contribui com esse pensamento o físico Sheldon Glashow, ganhador do Prêmio Nobel por contribuição da parte eletrofraca das forças.  Para ele, não temos as informações experimentais necessárias para construir esse Santo Graal da física teórica, a Teoria Unificada (das quatro forças). E então ele pergunta: “a questão é saber se estamos chegando a algum lugar na busca desse Santo Graal”, descreve John Horgan[8].

Por sua vez, o físico Roger Penrose[9] ao ser entrevistado por John Horgan[10] afirma que “se vai haver uma teoria total da física, ela, em certo sentido, não poderá ter as características de nenhuma teoria que conheço”.

E para não me alongar (a lista é grande), Stephen Hawking[11] escreve: “Uma descrição unificada das partículas e forças e o conhecimento das condições – limite na origem do universo seria um feito cientifico estupendo, mas não seria uma Teoria de Tudo. Uma teoria explicando o universo deve ir muito além”.

Esses comentários ressaltam que o Santo Graal da Ciência não está na unificação das forças da física que poderá produzir a teoria de tudo da física, mas não a teoria de tudo do universo, que independe das quatro forças!

Fato:

O aspecto importante é a separação entre a Teoria de Tudo, derivada e dependente da unificação das quatro forças e a Teoria Universal, independente de todas as teorias (dependente apenas do ato criativo), uma vez que “a segunda vai muito além da primeira”, “deve ser diferente das teorias conhecida”, “deve dizer algo sobre o amor e a beleza” e “deve nos levar a um lugar desconhecido”, como sugerido nos comentários acima. 

 

Assim, com um “ato criativo” de primeira grandeza, podemos afirmar que a Teoria Universal e a

Fórmula do Universo pode ser alcançada pelos criativos, talvez brevemente.

 

Características sugeridas para uma Teoria Universal que contenha a Fórmula do Universo.

Devemos enumerar as características para que uma teoria que deseje expressar os diálogos da natureza deve ter. Sugerimos os seguintes atributos:

  1. Deve ser tão simples e composta de tão poucos elementos quanto for possível, mas não menos que o necessário. Porém deve abranger tudo que existe entre átomos e Astros, de modo poderoso e contundente.
  2. Deve explicar todos os itens que estão no universo. Precisa apresentar o porquê das coisas, das relações entre elas e, sobretudo, da informação transmitida por elas.  
  3. Deve enxergar o Imbricamento Singular do Universo, isto é, porque ele é como é, e a iteração que requer a mutação continua. 
  4. Pode parecer fácil, embora seu uso exija talentos criativos. Deve requerer perspicácia máxima para compreender e solucionar as dificuldades extremas.
  5. Deve ser inquestionável sem que seu entendimento seja rudimentar. Deve resistir a qualquer dúvida e elucidá-las prontamente por si mesma, se surgir.  
  6. Deve se submeter a conceitos genéricos, compreendidos por todas as ciências tais como a Navalha de Occam.  Mas não pode se submeter a conceitos peculiares de nenhuma disciplina. 
  7. Deve esclarecer complexidades e incertezas expondo a naturalidade, facilidade e economia na resposta dada pela natureza, quando enfrenta tais situações.  
  8. Deve permitir o aparecimento do trajeto do fio condutor do universo, desde o passado até o futuro contíguo, tal como o Fio de Ariadne[12] previsto por Teilhard de Chardin.
  9. Deve ser determinista sem ser determinada. Isto é, pode mostrar o fim único (determinista), e os múltiplos caminhos que podem ser percorridos para alcançá-lo, embora a cada passo, os futuros contíguos sejam únicos (determinado após cada passo).  O livre arbítrio, ampliado pela criatividade, deve prevalecer, mas subordinada a Teoria Universal.
  10. Deve constituir e combinar tanto a racionalidade material quanto a criatividade imaterial que organizam o equilíbrio do universo.
  11. Deve permitir o espelhamento de tudo, isto é, cada elemento possa identificar suas próprias características na teoria.
  12.  A fórmula deve ser elegante, conter a verdade, simplicidade e certeza. Bela o suficiente para ser difundida como se fosse um slogan publicitário. Deve inspirar ordem, simetria, unidade, equilíbrio e informação.
  13. A fórmula deve ser autoexplicativa constituída apenas por elementos primitivos, irredutíveis, embrionários, disponíveis por si, geradores de descendentes. A fórmula deve ser pura, clara e cristalina para comunicar o pensamento e ação da natureza, sem ruídos. 
  14. A teoria e a fórmula devem estar livres de qualquer condicionante em função das descobertas já conhecidas e abarcando aquelas que venham a ser feitas no futuro.  Não pode em hipótese alguma conter qualquer tipo de contaminação de sua pureza, tais como  “ad hoc’s”, coeficientes, constantes, ajustes, limites, exceções nem nenhum outro tipo de ressalva. 
  15. As medições e cálculos podem ser primários / rudimentares realizadas pelos sentidos disponíveis, isto é, intuitivamente / instintivamente. Mas não deve haver impedimentos para ser realizado com instrumentos genéricos.  A independência – que dispensa instrumentos de medição – é um item importante da Teoria Universal porque a natureza não dispõe tais invenções humanas (prolongamentos dos sentidos) e ainda assim, quantifica e qualifica, avalia, conclui, corrige e avança.
  16. A Fórmula, tanto quanto a Teoria Universal têm que ser uma e única,  válida em todas as disciplinas conhecidas e naquelas que venham a ser criadas. Deve ser de tal ordem que, como um axioma, evite dúvida sobre si mesma, embora possa ser testável e verificável.
  17. Deve ser transdisciplinar, servir como instrumento de constatação de validade de conhecimentos, operando como um “guia para todos os saberes”. Embora seja condicional satisfazer à física e à matemática como condições mínimas necessárias, é preciso que seja também suficiente para todas as outras ciências, incluindo conhecimentos que ainda estão fora da ciência reconhecida.
  18. Pode se permitir corrigir, completar, ajustar, orientar, acertar, rever, refazer parte ou todo de quaisquer teorias conhecidas. Mas a recíproca não pode ocorrer. A Teoria Universal é primordial, de onde todas as outras teorias derivam. Nenhuma delas, absolutamente nenhuma pode ser “maior – mais abrangente” que a Fórmula e Teoria do Universo, embora possam até coincidir.

 


Resultado Final.

A tarefa da ciência é reduzir as verdades profundas a trivialidades – Niels Bohr.

 

A Teoria Universal que contém a Fórmula do Universo ou a Lei do Universo deve nortear a sagrada liberdade de todos os movimentos mantendo o equilíbrio do conjunto. Deve “unificar / alinhar” a percepção e a compreensão do todo, como se faz nos processos criativos.

Com a Teoria Universal, que jaz singularmente sobre tudo, as demais teorias podem ser corrigidas / completadas / ajustadas para caber dentro dela, que por sua vez, poderá levar a compreensão de cada disciplina para um novo entendimento requerendo novas pesquisas.

A Teoria Universal, extraída da raiz do universo, certamente está aguardando desde Platão para ser encontrada. Espera-se que ao fim e ao cabo, ela seja como previu o físico John Archibald Wheeler (poema não publicado):

 

                               Por trás de tudo, certamente há uma ideia tão simples, tão bonita,

                               tão convincente, que quando – daqui a uma década, um século, um milênio –

                               a compreendermos, todos diremos aos outros:

                             – Como poderia ser de outra forma?

                             –  Como pudemos ser tão estúpidos por tanto tempo?

 

 Rui Santo, 19.12.2012. São Paulo/SP.

 


[2] Mathesis Universalis (grego mathesis – ciência, América universalis – universal) é uma ciência hipotético universal, modelado em matemática, previstas por Leibniz e Descartes. Ele seria apoiado por um Ratiocinator Cálculo .

Mathesis Universalis – Matemática Universal.

[4] Scientific American Brasil – n.º 29. Out. 2004. Pág. 100

[5] Aczel. Amir D. O Mistério do Alef: a matemática, a cabala e a procura do infinito. São Paulo: Edit. Globo, 2003. Pág. 169

[6] Ver frase inicial de Einstein. …. ”nem pode ser deduzida da experiência por um procedimento puramente lógico”.

[7] Horgan, John. O Fim da Ciência: uma discussão sobre os limites do conhecimento científico. São Paulo: Cia. das Letras, 1998. Pág. 93.  John Horgan comenta o livro de John Barrow, Theories of Everything.

[8] _______. Pag. 87.

[9] Roger Penrose é conhecido por sua argumentação em seu livro “The Emperor’s New Mind”, que refuta a afirmação que os computadores poderão reproduzir todos os atributos dos seres humanos, inclusive a consciência.

[10] _______. Pag. 219

[11] Ferguson, Kitty. Stephen Hawking – Aventuras de uma vida. São Paulo: Editora Benviará, 2012. Pág. 19-21.

[12] Chardin, Teilhard de. O Fenômeno Humano. São Paulo: Editora Pensamento – Cultrix, 1986. Pag. 161.

 

Compartilhe:





ENVIE AGORA!
em by Rui Santo em Artigos

About Rui Santo

Especialista em criatividade, inovação e visão de futuro. Autor de diversas ferramentas para liberar sua capacidade criativa. Autor da T.I.A. - Teoria das Ideias Autocomparadas. Autor de formulação matemática que permite a medição de ideias. Autor da Balança da Inovação: uma balança com três pratos que compara os três elementos inseparáveis da inovação. Auto do livro: A Balança da Inovação.

Adicionar Comentário