100 pensamentos e frases

que tiram seus neurônios da caixa.

Inspiram e impactam a criatividade, inovação e visão de futuro

RESUMO:

 Oferecemos 100 pensamentos e frases para remexer e tirar seus neurônios da caixa, destinadas a profissionais de ideias: gestores, investidores, pesquisadores, inovadores.  

Para aqueles que trabalham com startups, incertezas e riscos, avaliação de ideias, administração matemática de ideias, valores humanos e benefícios das inovações, custos e preços de ideias.

100 pensamentos e frases é um “café da manhã” para ambientes corporativos, acadêmicos, aceleradoras, incentivadoras e similares, isto é, espaços de produção de ideias. 

Pensamentos e frases são fontes de inspiração.

Depois de ler e refletir suas novas ideias não caberão mais na velha caixa. 

É uma (R)evolução no cerne da inovação que o conduz a conceitos simples, evidentes por si mesmos, impactantes, …

Experimente.

Você não tem nada a perder, mas vai encontrar muito a ganhar.

NOTA 1: estas 100 frases são continuação do artigo “50 frases inéditas para se inspirar”.

NOTA 2: COPYRIGHT © liberado para citação com o devido crédito a Rui Santo.

CRIATIVIDADE

Voando para fora da Caixa.

1. Criativos desconhecem três palavras:
Fácil = porque realizar ideias não é fácil.
Impossível = porque tudo é possível, embora ainda não chegamos lá.
Desistir = porque criativos nunca desistem de suas ideias.

2. O que é maior ou está mais distante: infinito ou continum?

3. O valor das ideias:
– o valor das ideias, não do capital, enriquecem o mundo.
– o poder das ideias, não dos governos, empoderam um país.
– o dever atribuído às ideias, não da justiça, endireitam o homem.
– a terapia através de ideias, não dos remédios, curam pessoas.
– a mente com ideias, não bloqueada, dá segurança às pessoas.
– culturas de ideias, não de recursos naturais, erguem um país.
– o amor pelas ideias, não pelas coisas, nos aproximam mais de DEUS criador.

4. Diferença entre inteligência e criatividade:
– Inteligência é fazer as coisas tão complexas que só o autor entende.
– Criatividade é fazer as coisas tão simples que até analfabeto pratica.

5. O sucesso do fracasso das startups é absurdamente estonteante!!!
Até quando?

6. Toda causa envia diferentes efeitos em múltiplas direções.
Efeito é o ponto de encontro de vários encadeamentos de causas, de procedências variadas em níveis de intensidade, dimensão e discernimento humano diferentes.

7. Enquanto a gente não vê o erro, não vai atrás do acerto.

8. A revolução atual é a maior de todas desde a revolução da agricultura, quando se iniciou a materialização. Ela envolve as anteriores e caracteriza-se pelo imaterial, pela desmaterialização.
As revoluções de materialização foram lentas – limitadas pelos recursos naturais e know how – enquanto a revolução pela desmaterialização, que transforma tudo em “0-1s”, é vertiginosa, exponencial e fecunda dado que só encontra limite quando a criatividade cessa.

9. No início, ideias eram elementos básicos de salvação, materialização e progresso da humanidade. Agora, ideias são elementos fundamentais de liberação, desmaterialização e evolução da humanidade.
No futuro próximo, a criatividade individual será o valor profissional mais importante e mais procurado por RH.

10. Jeitinho é, mormente, uma solução de qualidade inferior, uma gambiarra de uma solução planejada.
A necessidade de jeitinhos comprova erros, expõe a incompetência de planeja-dores, estrategistas, programadores, organizadores e outros profissionais que deveriam impedir a necessidade de gambiarras.

11. O progresso do mundo há 3.3 milhões de anos, deve-se às ideias.
Não podemos confundir empreendedores que realizam suas ideias criativas com empresários que aprendem e praticam as ideias dos outros.
Franquias são bons exemplos.

12. Empresas criativas não valorizam falhas.
Na verdade, evitam a todo custo qualquer falha. Mas valorizam, estudam e se apropriam, gratuitamente e rapidamente, das falhas dos concorrentes.

13. Falhas são excelentes quando são dos concorrentes e nos instruem gratuitamente.

14. Falhar não é opção na inovação. Cometer falhas milionárias não é aceitável.
A NASA que o diga.

15. Comparar ideias subjetivas através de métodos subjetivos é elevar ao quadrado o potencial de erro. Ideia subjetiva x método subjetivo ~ erro 2.

16. Solidão é uma dádiva dos deuses para almas criativas e evoluídas, mas é uma angústia para almas principiantes porque dependem do outro para se ver, aprender e evoluir.

17. Se é complexo não é criativo e provavelmente está inacabado ou errado.

18. Só os criativos submeterão AI – Inteligência Artificial.
Os outros serão submetidos por ela.

19. Infelizmente todos têm bloqueios.
As fronteiras que instalamos em nós, limitam as ideias que produzimos.
As muralhas em que nos confinamos são invisíveis. São proteções para nos tornarmos seres mais limitados e piores.

20. Embora haja fronteiras naturais que limitam a criatividade, os impedimentos que cada um coloca em si, restringem / encurtam o campo criativo muito mais que qualquer limite natural.
É o começo do Alzheimer …

21. Tudo, absolutamente tudo depende de ideias.
Do cumprimento diário – bom dia – à movimentação do homem na lua, tudo depende de mentes criativas.
A elas devemos o estado da arte da civilização.

22. Criatividade tem piso, mas não tem teto.
Nenhum nível de criatividade é definitivo e todos serão superados.

23. No futuro imediato as instituições vão procurar com holofotes por profissionais criativos, dado que será o único meio de combater as inovações criativas oriundas da concorrência.
A batalha final será no campo das ideias.

24. Conversa ouvida no futuro: Se eu não me achasse tão criativo, quanto não sou, talvez não fosse substituído por um robô com IA.

25. Menos é mais (do mesmo), mas nada é tudo.

26. Uma teoria quando surge precisa de profissionais gentis para cuidar e fazê-la crescer.

27. Há um UPGRADE na criatividade.
A criatividade era “solução de problemas de coisas”, mas as coisas se fundem às pessoas durante o uso. Então devemos solucionar o problema das pessoas, onde está embutido o problema das coisas.
Assim, criatividade é agora, “SOLUÇÕES PARA PESSOAS©”.

28. A diferença entre conhecimento circular e conhecimento linear é que o circular se repete continuamente mantendo-se dentro da caixa em mais do mesmo, enquanto o conhecimento linear avança fora da caixa e leva todos para evoluir.
A evolução do linear prevalece sobre o circular.

29. É um elogio ser tratado como linear.
Linear arremete para fora da caixa enquanto circular se perde e morre embrenhado na floresta das repetições, dentro da caixa.

30. Definições de informação na comunicação: tirar de quem tem para entregar a todos que quiserem ter.

31. Criatividade: quanto mais preconceitos e pressupostos, menor o caminho, menor as oportunidades, maior o fracasso, piores os prazeres, …

FORMULAÇÃO MATEMÁTICA

Formulação matemática para medição de ideias para inovação. 

BALANÇA DA INOVAÇÃO®©.

Balança da Inovação®©. 

Ver frases n. 45 e 47. Instrumento matemático: Regra de Três Composta. 

32. Nem o céu nem a mente são as fronteiras finais. O limite é o valor lógico – matemático 0,00 iur, onde a criatividade termina.

33. Se a evolução puder ser entendida como sinônimo de inovação então temos aqui a formulação matemática que indica o “sentido de direção da evolução através da inovação”.

34. Países e sociedades focadas em seus direitos (0,00 iur) são muito menos criativas – disruptivas do que sociedades civilizadas em seus deveres (1,00 iur), matematicamente falando. Afinal, coletividades concentradas em seus direitos não querem nem ouvir quais são seus deveres e vivem contentadas com os míseros direitos que tem.

35.  Criatividade floresce no mundo dos deveres (1.00 iur) e falece no mundo dos direitos (0.00 iur).

36. A seguinte narrativa ajuda leigos a compreender a revolução que está acontecendo no mundo, através da inovação, embora especialistas saibam que não é exatamente isso. “O mundo material – analógico nos conduziu de 0,00 iur para 1,00 iur, mas com o advento da tecnologia imaterial – digital estamos retornando de 1,00 iur para 0.00 iur, desmaterializando o que havíamos materializado.

É a maior (r) evolução de todos os tempos, especialmente no consumo de recursos naturais”.

37. Nunca se engane: a revolução atual é a Revolução da Desmaterialização ou Revolução 0.00 iur que inspira e acelera ideias enquanto outras denominações só servem para bloquear e retardar a inovação.

38. A desmaterialização é uma energia vigorosa, indomável, imparável, constituída pelo Princípio da Economia de Esforços – PEE©®Cada nível alcançado nunca mais retorna ao anterior. Afinal, tudo caminha em direção a 0.00 iur, o porto seguro das ideias. 

39. A desmaterialização caracteriza-se pela transformação do mundo material–analógico para o mundo imaterial–digital onde cabe quase tudo e custa quase nada. É uma revolução sem precedentes que explica porque a velocidade da inovação está exponencial: sabemos o caminho de volta. E beneficia o lado social, dado que todos poderão ter quase tudo por quase nada.

40. A Navalha de Occam sugere que se pratique a busca da simplicidade, sem indicar o caminho para encontrá-la nem até onde pode ir. Mas a bússola matemática, A T.I.A.©®, nos corrige o rumo a cada passo e nos orienta para onde devemos dirigir as ideias para inovação, de modo tão simples quanto é possível.

41. A Navalha de William de Occam (1288 – 1347) dizia: É vão fazer com mais o que pode ser feito com menos.

UPGRADE – A T.I.A. ©® – 2017: É vão fazer (com) algo o que pode ser obtido sem consumir nem fazer nada – 0.00 iur.

42. Quem é o algoz da Inteligência Artificial? A desmaterialização em 0.00 iur! Essa é a batalha final. O armagedom! IA contra 0.00 iur. Quem vence? Os criativos decidem.

43.No mundo material – analógico a empresa maior dominava as menores. A disputa ficava entre empresas grandes, sem interferência / influência do usuário. Mas no mundo imaterial – digital é o usuário que acessa o mais rápido e impede a entrada dos concorrentes mais lentos. Agora não há a interferência de empresas, de propaganda, de preços, de valores nem outras influências. Ganha o mais rápido “” e”” o que requer menos esforços. A forma e o modo de concorrência nos mercados saíram do domínio das corporações para a preferência dos usuários em 0.00 iur = menores esforços, maiores benefícios / valores humanos por um preço que compensa.

44. O futuro não é uma sequência irregular de acasos, de coincidências e desvios aleatórias, nem de um caminho sem rumo/sem destino. O futuro segue um roteiro, um encadeamento, uma flecha matemática (de 1,00 iur para 0,00 iur), um “sentido de direção único, milenar e irreversível há 3.3 milhões de anos”. Essa flecha explica a construção criativa que substitui o passado pelo futuro, continuamente no presente.

45.A Balança da Inovação©® é um instrumento matemático que reproduz a Regra de Três Composta. Tal regra é muito importante porque tudo no universo é composto de 3 elementos, mesmo quando só dois estão visíveis. Uma moeda tem três lados. Yin e Yang estão imersos no ambiente comum aos dois. Uma folha de papel tem volume, portanto tem 3 lados. A Balança da Inovação©® retrata as influências de uns sobre os outros ocorrendo continuamente, simultaneamente.

46.A luz rompe a escuridão sem brigas. A escuridão está lá e cede quando a luz chega. Mas o que vence a luz? A Neblina, que não escurece o dia, mas impede de ver a distância. Sempre há 3 elementos… 

47. A inovação compõe-se de disciplinas que atuam como uma Regra de Três Composta. A Balança da Inovação®© permite visualizar as ações e reações inextricavelmente inseparáveis dos três elementos. É uma ciência multidisciplinar:

– Física / Matemática/ Biologia: quantifica os esforços biofísicos do organismo humano para manusear a inovação.

– Espiritualidade/Filosofia/Axiologia: benefícios contidos nos valores humanos dos usuários.

– Economia/ Finanças: composição de preços cobrados / pagos pela inovação.

48. Porque o índice de fracasso da inovação é tão alto atualmente (2017)? Porque os inovadores esquecem o primeiro item, o mais importante, o mais antigo (3.3 milhões de anos), o item que domina os outros: os esforços consumidos pelo organismo biofísico do usuário para manusear a inovação.

49. Embora as ciências biomédicas não sejam uma ciência exata, é aceito que a continuidade de tratamentos (e pesquisas) dependem dos números obtidos nos exames médicos, como uma bússola matemática, segura e poderosa que guia o médico em direção à cura, de tal modo que sabem, a priori, se e porque, o paciente ficará curado.

50. Se os médicos podem medir as doenças para curar os pacientes, porque não podemos medir as ideias para beneficiar os usuários?

51.Se você quantifica doenças porque não quantificaria ideias?

52. O tempo não envelhece, a energia não se cansa e o movimento não cessa.

53. Você verá animais de diversas procedências transformando-se em animais voadores, mas não verá o inverso, isto é, aves ou borboletas transformando-se em animais terrestres ou aquáticos. E o Princípio de Economia de Esforços – PEE©®, se manifestando no mundo animal através do sentido de direção de ideias para inovação, único, milenar e irreversível.

54. A medição de ideias pela formulação matemática ganha muito mais valor e importância em ambientes onde a quantidade de produção de ideias para inovação é exponencial. Neste ambiente, temos dois métodos para decidir em quais ideias serão realizados os investimentos:

– método subjetivo (especulativo): eu acho / tu achas / ele acha. Esse método que valoriza os egos, resulta em até 97% de fracassos. É um processo longuíssimo, circulando em um funil.

– método objetivo (lógico matemático – T.I.A.©®): Esse método que valoriza a lógica – matemática ao quantificar as ideias pelo lado do usuário, decide pela que tiver o valor mais próximo de 0.00 iur.  É um processo curtíssimo, que depende de uma conta numérica.

55. A vantagem das avaliações objetivas (logicas – matemáticas) sobre as avaliações subjetivas (achismos praticados pelos achistas) é que a primeira progride, avança, evolui e a segunda patina, roda sobre si mesma há séculos, no mesmo lugar.

56. O universo nunca foi tão matemático, nunca esteve tão claro, tão visível e tão calculável.

57.A vantagem de medir ideias é que o gestor do produto/serviço sabe, a cada momento, frente a cada surgimento de produtos concorrentes, se ele é destruidor ou não do seu produto.

58. A necessidade de todas as necessidades é a “não necessidade” ou, matematicamente, a Ideia Ideal = 0.00 iur, onde temos o benefício sem precisar realizar nenhum esforço para obtê-lo. Nesse ponto a necessidade torna-se 100% desnecessária e a criatividade cessa.

59. O ponto 0.00 iur é o ponto de convergência de inúmeros desejos dos usuários: Defeito 0,00 iur; acidente 0,00 iur; manutenção: 0,00 iur; doença: 0.00 iur; perdas e desperdício: 0,00 iur; produtos e serviços: 0,00 iur, Ideias Ideais: 0,00 iur, …

Conclusão: menos é mais, mas 0.00 iur é tudo.

60. O Princípio de Economia de Esforços – PEE®© é um filtro eficiente criado pela natureza para suas próprias inovações. Com o filtro a natureza impõe habilmente, sutilmente, uma ordem parcimoniosa ao universo. É belíssimo observar “como e porque” a natureza estabelece a ordem sobre a desordem e extrai de assimetria, a simetria do universo.

61. O problema de análises e critérios subjetivos-circulares de avaliação “achista” é que há uma grande probabilidade de repetição dos erros, dificuldades de diferenciar o certo do errado garantindo a perpetuação da dúvida, incerteza, discussões intestinas, preferencias duvidosas, interesses impublicáveis, desvantagens, estagnação e até retrocesso.

Tais problemas não ocorrem em análises e critérios objetivos-lineares de avaliação matemática-numérica, cujo avanço criativo é constatável, permitido pela certeza que nos leva a avançar, ganhar tempo, identificar e projetar ao futuro.   

62. Com a T.I.A.©® não há “empenho em identificar necessidades e oportunidades”. Se algo ainda não chegou a 0,00 iur, então há necessidades e oportunidades abertas. Quando alcançamos a Ideia Ideal = 0.00 iur, as necessidades cessam. Essa é a matemática que domina a inovação.

63.Felizmente, os médicos já sabem que têm que pedir os números do paciente obtidos nos exames clínicos retirados do seu organismo, condicionalmente ao prosseguimento do tratamento para a cura = 0.00 iur. Graças ao método lógico/numérico médico estamos vivendo até 85 anos atualmente.

Os inovadores vão ter que saber os números do usuário, condicionalmente ao prosseguimento da gestão da inovação em direção a 0.00 iur. A menos que não se incomodem em perder vidas, digo tempo, dinheiro, motivação, prestígio em até 97% das ideias. Isto é, só por sorte alguma vida, digo ideia, sobreviverá. 

64.Conhecer o “sentido de direção de ideias para inovação – único, milenar e irreversível, mantido a 3.3 milhões de anos sem alteração”, por si só já é uma (R) evolução no cerne da inovação. Afinal, agora temos uma bússola matemática que nos guia até o porto seguro das ideias, 0.00 iur. Sem bússola é difícil sair da floresta. Quase todos ficarão rodando em círculos até consumir todos os recursos… e morrer.

65.A quantidade de ideias publicadas para serem transformadas em inovações surgem na forma de tsunamis, diariamente. É um volume exponencial de ideias, mas não é possível ficar observando essa vitrine sem saber separar joias x bijuterias, dado que todas reluzem igualmente. Só um teste lógico – matemático pode separar umas das outras.

66.Medições matemáticas de ideias para inovação. A diferença entre “ter e não ter” uma formulação matemática de ideias para inovação que indique os caminhos é como andar sem rumo, perdido em uma floresta no escuro e andar com rumo em uma cidade, de dia, perfeitamente sinalizada com GPS / WAZE nos orientando a cada passo.

No primeiro caso até 97% não chega a nada. Morre no caminho até porque não sabe onde está o destino. No segundo caso, só não chega ao destino quem não quer. 

67. O corpo humano não é uma ciência exata, mas os médicos se guiam (sustentam, penduram, obedecem) pela lógica matemática dos números obtidos nos exames clínicos para alcançar a cura do paciente. 

Sem a bússola matemática dos números, a medicina volta a ser curandeirismo, uma ciência especulativa, baseada em achismos (eu acho / tu achas / ele acha), de alto risco e incertezas, como era antes de 1940, tal qual a inovação é hoje, 2017.

68.O aspecto surpreendente da convergência ao porto seguro das ideias, é que tudo se encaminha há 3.3 milhões de anos para se fundir no mesmo nada – 0,00 iur matemático.

69.Como um carro que ilumina apenas os próximos 100 metros para chegar ao seu destino, as ideias criativas precisam caminhar pelo eixo “1,00 para 0,00 iur” para nos conduzir ao futuro.

70. O futuro tem se mantido único, unidimensional e irreversível como uma bussola matemática (de 1,00 iur para 0,00 iur) há 3.3 milhões de anos. Então podemos afirmar que o futuro é previsível e convergente para 0.00 iur.

71. Agora sabemos que o futuro é previsível, matematicamente.  Identificamos “para onde” tudo converge (0.00 iur) embora não saibamos “por onde” trafegaremos. São os criativos que desbravarão a trajetória.O desbravador substituirá o inventor?

72.É preciso seguir a energia. Se e onde ela se extinguir, acabamos. É matemático. 

73.“Enquanto o TRIZ dissolve conflitos tecnológicos através do sistema de contradições, a T.I.A.®© dissolve conflitos humanos através da Ideia Ideal®© = 0,00 iur”.

74.Com a medição matemática de ideias para inovação vem à tona os delírios, as inconsequências e desconexões, as insanidades e outras alucinações que circulam nos ambientes de inovação. E são muitas!

Elas são difundidas / acreditadas / confiadas / afiançadas de modo tão convincente que garantem o alto índice de resultados negativos da inovação sem que muitos nem desconfiam que há algo equivocado.

75.Pergunta: onde vamos parar? Resposta: no nada! 0.00 iur!

Até porque não tem mais para onde ir.

INOVAÇÃO

Desmaterialização = “(0 – 1)’ s”. 

Surpresa?!

76. Inovação é sorte?
-Métodos subjetivos em qualquer área se baseiam em achismos.
-Achismos vem de todos os lados e promovem a divergência.
-A divergência eleva a incerteza.
-A incerteza multiplica os riscos.
-Os riscos geram medos / receios de perdas de todos os tipos.
-Medo trava o projeto porque ninguém consegue “decidir qual ideia fazer”.
-A falta de decisão dificulta / prolonga / desacelera o prosseguimento do projeto.
-Então cria-se a reunião de decisão da diretoria onde todos palpitam…
-Assim, finalmente, …
…, a ideia vai direto alimentar as caldeiras do inferno, cujos estoques estão congestionados, patrocinado pela diretoria…
Salvam-se uns 3%. Evidentemente, é sorte!!!

77. Inovação não é um processo contínuo e eterno.
Há um ponto final em 0.00 iur.

78. Inovadores são seres singulares.
Quando estão inovadores não reconhecem /adotam/ aplicam o que sabem e fazem quando estão consumidores / usuários.

79. Olhar os resultados expostos nas vitrines de inovações é como olhar estrelas.
Se você não sabe ler a bússola implícita, não enxerga o percurso nem o destino.

80. Exponencial é o volume de ideias para inovação que estão surgindo.
É um tsunami sem precedentes.
Exponencial também é o fracasso.

81. As empresas que mais gastam recursos em inovação não são, necessariamente, as que mais ganham com ela, uma vez que lhes falta metodologia para sistematizar e discernir, a priori, o resultado dos investimentos.

82. Quase todos os métodos atuais são subjetivos, responsáveis pela incerteza de resultados das ideias. Mas, repito, são OS MÉTODOS utilizados que produzem incerteza e alto risco, e não a inovação em si.

83. É muito injusto e censurável que mentes criativas, talentosas e incomuns sejam largadas, deixadas sangrando, consumindo seus esforços cognitivos e empenhos pessoais operando com métodos que quase garantem o desperdício de suas energias, tempos, movimentos, recursos, investimentos, motivações, envolvimentos, dedicações, sonhos, …

84. – É admitido que o sucesso ou fracasso dos startups se deve a capacidade empreendedora dos membros do time.
– É conhecido que 97% dos startups irão à falência.
– Conclusão: 97% dos empreendedores que operam startups são incapazes!!!
Certamente há algo inconciliável, inaceitável nessa lógica elementar.
O que está errado?

85. A tecnologia emergente mais surpreendente de todos os tempos é a não tecnolo-gia, isto é, é a dispensa de qualquer tecnologia quando alcançamos a Ideia Ideal = 0.00 iur e ainda obtemos os benefícios da tecnologia inexistente.

86. Aprender (a ler, escrever, contar, calcular, línguas, procedimentos, normas, receitas, fórmulas, etc., etc.,) economiza esforços e nos liberta para prosseguir à evolução pessoal, preferencial.

Visto dessa forma, a escola/educação é um processo de inovação que visa economizar esforços cognitivos futuros do aprendiz.
Obedece, valoriza e multiplica o PRINCÍPIO DE ECONOMIA DE ESFORÇOS – PEE©®.

87. Entenda como se faz inovação.
Não é foco no cliente! É foco do usuário.
Não é cara a cara com o cliente! É ombro a ombro com o usuário.
Não é usar os sapatos do cliente! É calcular os esforços do usuário.
Essa mudança sutil, de “no” para “do” impede perdas bilionárias.
É como mudar dos achismos para as certezas, baseado na lógica matemática.

88. Inovação: temos que ter o foco principal Do usuário.
Se resolvermos os esforços DO usuário, resolvemos os problemas do produto. Esse é um “upgrade” que está surgindo.
“Economia de esforços do usuário” é dominante e impera soberanamente sobre “solução de problemas”.

89. Inovação deve estar em acordo com a estratégia da corporação ou a corporação deve desenvolver estratégias apropriadas/adaptadas/ajustadas às inovações radicais que surgem ao longo dos tempos?
Estratégias rígidas aumentam os riscos e incertezas, enquanto as flexíveis permitem a continuidade.
São as corporações que se adaptam ao mundo, e não esperam que o mundo se adapte a elas, que se perpetuam.
Exemplos centenários em hotéis, hospitais, escolas, transportes, …

90. A síntese entre o usuário e a inovação é tão evidente quanto a fusão entre o remédio e o paciente. A incompatibilidade entre ambos explica 97% da rejeição no “tratamento” por startups.

91. A preferência dos usuários por ITENS DESMATERIALIZADOS ocorre numa velocidade vertiginosa. Quando tais itens surgem o usuário substitui “um algo – material – analógico” por “um nada – imaterial – digital” e mantém os benefícios. A inovação material – exponencial é lenta se comparada com a inovação digital – instantânea.

92. Superamos a fase da inovação ser condição de sobrevivência das corporações. Agora que todos compreenderam, a fila andou!
Entramos na fase de inovar para estar entre os três ou quatro hubs de concorrentes globais, uma vez que, ou se está entre eles, ou se está entre os 5 ou 6 milhões de APP’s disponíveis para uso que ninguém quer nem experimentar.

93. Lembre-se: no âmbito dos APP’s quem elimina a concorrência são os usuários que só aceitam os 3 ou 4 ofertantes que lhes requer os menores esforços.

94. A BALANÇA DA INOVAÇÃO©® permite a busca do equilíbrio entre esforços, valores e preços resultantes para cada nível na escala de Maslow.

95. O gestor típico submete-se a uma fase de incerteza aguda na escolha das ideias a serem implantadas nos processos de inovação. A dúvida é tão severa que o gestor convoca o “comitê assessor de decisão de ideias”.
Mas a T.I.A.©® oferece uma independência e segurança impagável ao gestor, eliminando a dúvida e dando-lhe sustentação matemática nas escolhas que faz. Agora o gestor sabe qual é o caminho que deve seguir.

Ufa! Nada mal!

96. Sustentabilidade deve ser entendida como uma propriedade das ideias.
Cada ideia tem sua propriedade de peso, volume, materiais e dimensões quantificados no consumo dos recursos naturais que a compõem.
Agora podemos medir a sustentabilidade de cada produto e compararmos com a Sustentabilidade Ideal, coincidente com Ideia Ideal = 0.00 iur, uma vez que obtemos o benefício sem consumo de recursos naturais, na maioria dos casos.

97. Inovação de alto risco e incerteza são as características da “caixa” onde os inovadores estão metidos.
Se “saírem dessa caixa subjetiva” vão encontrar certezas matemáticas e baixo risco, tão baixo que pode até chegar a ser nulo em 0.00 iur.

98. No mundo material – analógico é fácil, é possível, é econômico terceirizar os esforços físicos por outra pessoa como uma prótese que consome esforços no seu lugar. No mundo imaterial – digital é impossível. Então a AI – Inteligência Artificial fará para a mente, a prótese que o empregado fazia para o empresário.

99. Inovação como nova ciência.
Inovação envolve conhecimento em diversas disciplinas, informação generalizada, criatividade aplicada e produção de ideias em todos os passos durante todo o trajeto, desde a ideia inicial até as ideias após descarte dos resíduos. Com a inserção de uma formulação matemática que identifica o futuro e um instrumento físico de avaliação da ideia, torna-se uma ciência com seus próprios métodos, interdisciplinar e multifuncional.

100. Sou fã incondicional de Deus ou Energia da Natureza ou Design Inteligente se preferir, e sua “CRIATIVIDADE INFINITA”. Tão criativa e tão infinita que guardou os maiores segredos do universo no lugar mais difícil de encontrar. Na nossa frente.

Finalizando

Aproveite o que gostou e esqueça o que discorda. Assim, podemos caminhar juntos, trazendo benefícios uns para os outros. 

Vamos substituir a ERA DAS DISCUSSÕES e aperfeiçoar a ERA DOS DIÁLOGOS.
Discussões separam, diálogos unem.

Obrigado por sua atenção.

Rui Santo.

iursanto@gmail.com

www.galaxiacriativa.com.br

www.balanceofinnovation.com

Para saber mais, acesse aqui o livro

A BALANÇA DA INOVAÇÃO©®:

Como medir, desenvolver e reconhecer ideias que serão sucesso.

Compartilhe:





ENVIE AGORA!
em by Rui Santo em Artigos

About Rui Santo

Especialista em criatividade, inovação e visão de futuro. Autor de diversas ferramentas para liberar sua capacidade criativa. Autor da T.I.A. - Teoria das Ideias Autocomparadas. Autor de formulação matemática que permite a medição de ideias. Autor da Balança da Inovação: uma balança com três pratos que compara os três elementos inseparáveis da inovação. Auto do livro: A Balança da Inovação.

Adicionar Comentário